quarta-feira, janeiro 25, 2012

Taz e as questões pouco tangíveis





Taz e as questões pouco tangíveis


- "Mamãe, o que é emergência?"


Pronto, começaram as perguntas abstratas. Onde ele ouviu essa? Por onde começo?Devo explicar o contexto também? Me ajudem, é uma emergência!


- É uma coisa que temos de resolver logo, entendeu?- Sim, mamãe!


Não sei se a sua satisfação com a superficialidade da resposta me deixa feliz ou triste.

sexta-feira, janeiro 20, 2012

terça-feira, janeiro 10, 2012

A garagem



Quando uma pessoa te convida para conhecer sua casa nova tem um propósito em mente: ouvir comentários positivos. E quando essa pessoa não é rica, mas miseravelmente rica, a intenção é de te espremer até extrair o último elogio. Assim é aconselhável preparar-se com uma certa antecedência munindo-se de uma quantidade substancial de adjetivos aprazíveis aos ouvidos de seu anfitrião.

Ao chegar à residência é de praxe começar com um: "Uau como è grande!" E dentro continuar a encenação recitando o monólogo do lugar-comum: belíssima a decoração, maravilhosa vista, cozinha super moderna, quarto de grande estilo. E para não parecer blasé ou pior, um poço sem fundo de ignorância sobre a arte do design, use uma expressão da moda ao opinar sobre os acessórios do banheiro: muito minimalista (se é que esses duas palavras podem conviver na mesma frase sem causar um antagonismo ideológico).

Ao final do tour, a conversa terminará com um "meus cumprimentos, sua casa é perfeita" e todos se sentirão com o dever comprido: o proprietário por ter demonstrado quanto dinheiro tem, e o visitante por ter se comportado civilizadamente ao ser exposto a tanta ostentação. Mas, eis que um deles não se dá por satisfeito:
- Isso por que você não viu o último cômodo.
- Como assim? Tem mais?

Sim. E enquanto seu amigo(?) se dirige ao lugar que os mortais comuns chamam de garagem, nervosamente você começa a pensar como se faz para elogiar um buraco onde se guardam carros. A descrição se inizia com o portão eletrônico, passa pelo espaço disponível para dois carros off road e se estende a uma porta no fundo que tchan tchan  tchan, é a entrada de uma adega climatizada para vinhos que seu dono não sabe nem pronunciar o nome.

Até aquele momento você havia se portado educadamente sem ser afetado, falso ou despeitoso mas bem no desfecho do ultimo ato corre um sério risco de parecer tosco, repetitivo e de um espírito obtuso a 180°. Os últimos detalhes saem da boca do seu incansável cicerone e os ouvidos se abrem para desfrutar a estonteante impressão que pensa de ter causado, mas você está no limite de perder a compusta.  Que cacete de opinião posso ter sobre esse cubo de merda?

- Então, o que achou da nossa garagem?
- A essência da superficialidade.

Que iluminação, um verdadeiro insight, o mais puro gozo lexical. Mas os freios ABS dos impulsos primitivos foram mais rápidos e saiu somente um:

- Bastante refinada.
- Refinada? Como o açúcar refinado?
- Não, não. Refinada de extra fino, o máximo da elegância, o supra-sumo da sofisticação.
- Ahhhh...

O stress provocou um hiperbólico redemoinho de despautérios, mas pelo menos preencheu o vácuo da pergunta e finalmente se pode repousar em paz.

sábado, janeiro 07, 2012

Taz aprendendo geografia




- Que rio é aquele filho?
- Adige
- E o que tem dentro do rio?
- Humm...  ÁGUA!

quarta-feira, janeiro 04, 2012

O campo de distorção da realidade do Taz




- Mamãe eu já sou grande para dirigir o carro do papai.
 - Por que?
- Eu comi a papa todinha.
- Mas tá faltando a carne.
- Ah, mamãe eu sou pequeno pra comer carne.

Primeira piadinha triste de 2012



Nem bem o ano começou e o maridinho já tá reclamando do desperdício.

-  Dava pra encher um balão e fazer a volta ao mundo com o pum que soltei.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...